segunda-feira, 12 de março de 2012

Vaga de frio em Portugal

Portugal que possui um clima predominantemente mediterrânico, possui também algumas características do clima temperado de feição marítima e de feição continental. Possui, regra geral, verões relativamente quentes e invernos com temperaturas moderadas, quando comparadas, por exemplo, com outros países da Europa.

As massas de ar que influenciam as condições meteorológicas em Portugal Continental são as massas de ar polar (provenientes do ártico e, geralmente, frias), as tropicais (provenientes dos trópicos e, geralmente, quentes), as continentais (provenientes do interior dos continentes, geralmente, secas) e as marítimas (provenientes dos oceanos, geralmente, húmidas).

Durante o mês de Janeiro e Fevereiro, Portugal foi afetado pelas massas de ar Polar, provenientes da Rússia e da Escandinávia, que provocaram a queda brusca das temperaturas, provocando uma vaga de frio. Esta situação não é muito vulgar devido à distância geográfica daquelas regiões, mas este ano provocou mesmo um período relativamente longo de queda das temperaturas.

Assim, verificaram-se situações anómalas que obrigaram a proteção civil a acionar o alerta laranja nos distritos de Bragança, Évora, Vila Real, Beja, Portalegre, Castelo Branco, Aveiro e Braga.

A queda das temperaturas chegaram a descer, face ao habitual, entre os 6 e os 9º C. Bragança chegou a registar 9º C negativos, Coimbra -1ºC, Viana do Castelo, Évora e Beja (-2º C), Castelo Branco e Portalegre (-3º C), Vila Real e Viseu (-4º C) e Guarda (-7º C).

Estas temperaturas obrigaram as autarquias a reforçar as medidas de apoio aos sem abrigo retirando-os, sempre que possível, das ruas para evitar a morte por hipotermia. Só em Lisboa estima-se que vivam nas ruas cerca de 1500 pessoas.